Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

Vida & Música

UMA GAROTA MUITO ABUSADA*

Imagine uma garota tentando seduzir um rapaz e não há ninguém no mundo além deles dois. Ela se dirige precipitadamente a ele e com palavras de lisonjas lhe diz: — “Meu bem, eu te amo tanto! Não há ninguém no mundo todo que eu ame mais!” Ele, ciente da condição em que ambos se encontram, lhe dirige um olhar fuzilante: — “Mas que menina mais abusada, Sô! Será que ela  me acha um idiota?” Não há amor verdadeiro, fidelidade comprovada sem a possibilidade de optar por outro ou outros que não seja aquele(a) a quem você declara amar. Você já se perguntou por que o diabo existe? Por que existem tantas religiões, tantos mestres e tantos ensinos? No tempo de Jesus já existiam muitos deles, como muitas promessas tentadoras. Afora isso, nunca faltam atrações para os prazeres contrários a Deus. No entanto, Pedro disse assim a Jesus: “—Quem é que nós vamos seguir? O Senhor tem as palavras que dão vida eterna! E nós cremos e sabemos que o Senhor é o Santo que Deus enviou”(Jo. 6.68-69). Nem mesmo o diabo…

UMA NOVA VIDA

Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus... quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus”. (João 3:3,5). Jesus afirmou a necessidade de cada um de nós nascermos de novo. Ele nos diz nos textos acima que quem nasce de novo recebe dois benefícios inéditos, inaudíveis, totalmente celestiais. O primeiro é “ver o Reino de Deus”. É como se você estivesse andando casualmente em uma rua e, de repente, se encontrasse dentro e um aparelho totalmente estranho. O segundo é “entrar no Reino de Deus”. Segundo a Palavra ninguém poderá ser salvo sem que entre no Reino de Deus(1Co.6.9-11) e, entrar no Reino é o mesmo que ser salvo. Ao ler até aqui você deve estar se perguntando como saber se é salvo e é muito importante que você tenha absoluta certeza quanto a isto. Bom, Jesus não nos deixa sem resposta, Ele pressupõe que “ver” e “entrar” são simultâneos. Por isso, quem “vê” é porque “entrou” e quem não “viu…