Pular para o conteúdo principal

O OUTRO PREÇO DO CARNAVAL


Não tenho objetivo de protestar contra o Carnaval. Não. O propósito deste texto é destruir esse espírito de ALIENAÇÃO que usa da ocasião de uma festa ALIENÍGENA para aniquilar da comunidade como um todo, a capacidade de refletir acerca de IMPLICAÇÕES que vão além do PRAZER – que dizem respeito à VIDA.

O brasileiro é conhecido como alguém festivo, alegre e bem-humorado e esse é um patrimônio do qual jamais devemos abrir mão. O Brasil é também o lugar que abriga todas as crenças e crédulos, que recebe com facilidade qualquer importação e tem a capacidade de transformá-la em “samba” nacional. O carnaval é uma destas importações.

O carnaval nasce na Grécia, se dissemina por meio da França, mas a melhor caricatura que possui é a versão da antiga Roma onde tudo era “liberado”, como bem descreve a Wikipédia:

“O carnaval da Antiguidade era marcado por grandes festas, onde se comia, bebia e participava de alegres celebrações e busca incessante dos prazeres. O Carnaval prolongava-se por sete dias na ruas, praças e casas da Antiga Roma, de 17 a 23 de dezembro. Todas as actividades e negócios eram suspensos neste período, os escravos ganhavam liberdade temporária para fazer o que em quisessem e as restrições morais eram relaxadas. As pessoas trocavam presentes, um rei era eleito por brincadeira e comandava o cortejo pelas ruas (Saturnalicius princeps) e as tradicionais fitas de lã que amarravam aos pés da estátua do deus Saturno eram retiradas, como se a cidade o convidasse para participar da folia”(fonte: Wikipédia).

Após o carnaval o “céu” da carne acaba: tudo o que se comeu transforma em dívidas monstruosas, as alegres celebrações tornam-se ansiedade e depressão, o prazer em desgosto, o feriado em trabalho dobrado, os escravos continuam sendo escravos, as orgias em trocas relacionais venenosas, os presentes se tornam negócios caros, o rei da alegria era só de mentirinha e agora é o carrasco da frustração, os cativos da religião que soltaram os pés dos ídolos agora têm que criar novos ídolos para sobreviver ao caos. Tudo o que acabei de dizer ainda impera nos dias de hoje, inclusive o fato dos escravos continuarem escravos, mas cabe a cada leitor fazer essa transposição histórica.

Olhando para os dias atuais, o custo vai além do que se tinha na antiguidade. O número de soropositivos aumenta exponencialmente, nove meses depois muitas crianças nascem órfãs de paternidade(e muitas vezes de maternidade por garotinhas que não têm capacidade de saber o que é ser mãe), uns poucos(bem poucos) ganharam algum dinheiro enquanto a maioria se martiriza nas incontáveis contas à pagar, inúmeras famílias sofrem o impacto de mudanças internas, bruscas e profundas, o meio ambiente geme com desmedida inconsequência dos foliões à beiro d’agua, o uso de drogas(que diga-se de passagem, já é um mal incontrolável) ganha expressivos espaços e adeptos que jamais foram conquistados e, por fim, há uma tremenda alienação política, social e espiritual.

Mas enquanto houver cegueira espiritual, haverá quem defenda que, pelo prazer, devemos sacrificar a vida. E não apenas isto, mas advogará ainda que, já que o "eu e meus amigos" não está na lista dos que festejam e destroem a vida, então culpados são os demais. Tais "advogados" negligenciam princípios importantíssimos:

1. Ver o outro perecendo enquanto você não é atingido pela calamidade do mal e não se indignar contra a maldade é egoísmo. Uma caricatura disso é o dono de boteco que vê o alcoólatra se revolver no bueiro enquanto ele ganha dinheiro vendendo o veneno para o suicída.

2. A sociedade é como um organismo. Se um é ferido todos sofrem. Ignorância é pensar que se a família de beltrano está sofrendo a minha não será atingida.

3. A negligência frente ao mal que consome a sociedade é a degradação espiritual de sua própria alma.

Agora avalie o "custo-benefício" do carnaval.


Paz a todos,

Ilton.

Morada Nova de Minas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM PARA FORMANDOS EM PEDAGOGIA– No auditório da Escola Heloísa de Campos–Morada Nova de Minas–11/02/2011

TEMA: SEMEADORES DO BEM
TEXTO: Mateus 13:3.
Há muitos motivos para hoje ser uma noite de celebrações, uma delas é que vocês venceram, seus familiares e professores vencem com vocês e o que na Grécia antiga era serviço de alguns escravos, hoje, meritoriamente é reconhecida como uma profissão vital para o Sistema Educacional.
Estou aqui para abençoa-los como Deus me incumbiu e não posso fazê-lo sem refletir na pedagogia de Jesus:
Para isto, gostaria de meditar Mateus 13.3 quando Ele diz: “Eis que o semeador saiu a semear”.
Falando de si mesmo, o Mestre dos mestres resume sua prática pedagógica no ato de semear.
Semear parece ser algo simples demais para configurar uma teoria, mas é, ao meu modo de ver, o casamento da vida. O casamento da semente com a terra.
Se Ele andasse pelas ruas corporalmente como o fez a dois milênios, observaria nossos vizinhos plantando o milho nos quintais e lotes vagos nos finais de ano e em janeiro nos ensinaria preciosas lições desde o plantio do mil…

Fortalece

Bíblia em Texto e ÁudioTV PresbiterianaPrograma Verdade e VidaBlog LEITURA BÍBLICA de segunda-feira, 29 de abril de 2013 DESTAQUE: “Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos peneirar como trigo;mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, fortalece teus irmãos”. (Lc. 22.32).

Este é um dos mais marcantes episódios na vida de Pedro, pois mesmo quando o apóstolo estava sob a obscurecente sombra da autossuficiência, nosso Senhor Jesus roga por ele para que satanás não viesse a peneira-lo como trigo. A verdade é que todos nós seríamos restolho na peneira, destinados à destruição, ao fogo, se Jesus não intercedesse por nós. Jesus, no entanto, não apenas intercede por nós, mas nos comissiona dizendo: “...e tu, quando te converteres, fortalece teus irmãos”. Este é um chamado claro: Fortalecer os irmãos. Escolha fortalecer os irmãos hoje. Escolha abençoar alguém na fé em Cristo esta semana! Pense nisto! Tenha um bom fim de semana em nome de Jesus! M. Ilton. …